Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro

Orgão da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa

Archive for Abril, 2008

Cinco instituições unidas para criar um Parque de Ciência e Tecnologia

Posted by ntmad em 24 04 2008

Da revista online CienciaPT, com a devida vénia. transcrevemos:

A Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, o Instituto Politécnico de Bragança, as Câmaras Municipais de Vila Real e de Bragança, e a Associação do Parque de Ciência e Tecnologia de Porto (Rede de Parques de C&T e Incubadoras, PortusPark) assinaram um protocolo destinado a preparar uma candidatura para a criação de um Parque de Ciência e Tecnologia (PC&T) no Interior Norte de Portugal. No entanto, outras instituições e empresas interessadas em participar como membros de associações, ou sociedades gestoras podem subscrever o mencionado projecto.

 O PC&T irá centrar a sua actividade num domínio em que a UTAD tem competências reconhecidas, o sector agro-industrial associado às novas tecnologias nos domínios do ambiente e da paisagem, da biotecnologia, das ciências florestais e veterinárias. Num primeiro momento e atendendo à proximidade geográfica da Região Demarcada do Douro, o Parque irá privilegiar o domínio do vinho e da vinha, envolvendo algumas componentes relacionadas com este sector, designadamente no plano da biotecnologia, do desenvolvimento de tecnologias e processos, da viticultura, do ambiente, da qualidade e do marketing. Trata-se de uma área de intervenção que não está contemplada na actual rede de PC&T, o que irá permitir desenvolver uma nova centralidade na Região.

Com efeito, e de acordo com a UTAD, as principais linhas de intervenção do Parque estarão centradas em áreas de negócio em que a UTAD possui reconhecidas competências de investigação e de conhecimento, designadamente ao nível dos seus Centros de investigação. Na actualidade, os investigadores das instituições proponentes participam em projectos de I&D e de prestação de serviços nas áreas de intervenção equacionadas para o Parque. Por outro lado, os nossos antigos alunos (alguns aqui presentes) também desenvolvem a sua actividade profissional em áreas de negócio que se enquadram nas linhas de actuação estratégica previstas para o PC&T e, como tal, serão potenciais investidores nesta estrutura.


Projecto poderá contar com 350 investigadores da UTAD

Os centros de investigação da UTAD com interesses neste domínio integram cerca de 350 investigadores, 200 dos quais doutorados e que desenvolvem a sua actividade de I&D nas principais linhas de actuação estratégica previstas para o Parque. Na última década, os investigadores estiveram envolvidos em projectos de I&D, de forma isolada e em parceria com diversas instituições públicas e privadas, cujo orçamento geral foi de cerca de 340 milhões de euros, correspondendo a componente da UTAD a cerca de 165 milhões de euros.

Ainda segundo a UTAD, a criação do Parque permitirá valorizar as potencialidades dos recursos endógenos, associados à excelência do conhecimento existente, de modo a construir soluções inovadoras que originem oportunidades de negócio para o desenvolvimento económico da Região. Por outro lado, promoverá uma nova centralidade na Região, promovendo a competitividade regional e potenciando o desenvolvimento económico do Interior Norte, contribuindo para aumentar a capacidade efectiva de resposta aos desafios do tecido económico e produtivo, em particular, no desenvolvimento de produtos, serviços e soluções de elevado valor acrescentado. Esta estrutura irá permitir reunir as condições para que os avanços científicos e tecnológicos sejam transferidos com sucesso para as empresas de vocação comercial e aplicados aos circuitos económicos, traduzindo-se num aumento de competitividade. O cumprimento desta missão exige a proximidade institucional, física e relacional entre as organizações de I&D, as instituições de ensino superior que transmitam conhecimentos aplicados e, finalmente as empresas capazes de inovar na actividade económica, requisitos que os proponentes deste projecto estão a equacionar.


Universidade quer aproveitar sinergias com empresas

O futuro PC&T será um espaço seleccionado, gerido e orientado de forma a potenciar os recursos nesta área estratégica, constituindo uma plataforma de desenvolvimento e uma alavanca para o crescimento da economia nacional, com a especialização das empresas sedeadas ou ligadas ao Parque nos domínios previstos. Por outro lado, este centro de competências diversificadas poderá representar um eixo estratégico, ao qual está inerente o aproveitamento e a potenciação das sinergias entre a Universidade, as instituições de desenvolvimento e as empresas de base tecnológica, constituindo um motor de projectos âncora com garantia de solidez, justificada pela vinculação à Universidade e aos seus centros de investigação. De igual modo, pode constituir um centro de apoio à inovação, assentando no favorecimento da vantagem colaborativa entre os seus utentes, numa perspectiva de relacionamento com o tecido económico da região, que promova processos de transferência de tecnologia.

A criação de um PC&T em Trás-os-Montes é um projecto com escala e dimensão adequadas que pretende enquadrar-se nas novas políticas de revitalização económica ao abrigo do Programa Operacional Regional, com potenciais efeitos ao nível da competitividade, desde logo fomentando a criação de negócios inovadores, articulando capacidades empresariais com o conhecimento científico e tecnológico. Este projecto deve envolver parcerias entre empresas, autarquias, instituições de ensino superior e centros de investigação, de forma a dinamizar a coesão territorial e de forma sustentada reduzir as disparidades dos níveis de desenvolvimento entre as regiões.

 

 

 

Anúncios

Posted in Destaques | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa

Posted by ntmad em 23 04 2008

QUINHENTOS MILHÕES DE EUROS À ESPERA DE BONS PROJECTOS EM PORTUGAL

por António Chaves

Projectos nacionais, regionais ou locais nas áreas da coesão social, da gestão do ambiente e do desenvolvimento do capital humano podem ser financiados pelo CEB, Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa.

Portugal obteve, desta Instituição, até ao presente, empréstimos no valor de 500 milhões de euros, (4% do total dos empréstimos efectuados por esta organização financeira.

No entender do Secretário de Estado do Tesouro este valor pode ser duplicado até 2010.

Para conseguir obter mais 500 milhões de euros de empréstimos é necessário revelar capacidade de iniciativa e conceber, elaborar e apresentar projectos elegíveis no quadro das acções prioritárias definidas pelo Banco.

Eis uma importante oportunidade de financiamento de projectos para combater a desertificação em Trás-os-Montes, promover a criação de emprego e melhorar o ambiente e as condições de vida das populações.

Estamos a pensar em Cooperativas, Misericórdias, Jardins de Infância, Escolas Pré-Primárias, Serviços de Apoio a Idosos, Associações de Bombeiros, Organizações de Formação, Sistemas de Rega e de Reflorestação, Projectos de Compostagem a partir do corte de matos, transformando-os em fertilizante orgânico e ecológico para melhorar o rendimento das explorações agrícolas, elevar e certificar a qualidade dos produtos, controlar os incêndios e reduzir a emissão de CO2 para a atmosfera.

A experiência demonstra que a obtenção de financiamentos não é o resultado directo do reconhecimento das reais carências, mas antes da capacidade de organização e apresentação de projectos elegíveis, sobretudo quando é relevante demonstrar os efeitos previsíveis a nível regional ou sectorial, que obrigam a uma cooperação efectiva de diversas entidades.

Os Municípios, As Associações dos Municípios do Alto Tâmega e dos Municípios de Trás-os-Montes e Alto Douro têm aqui a possibilidade de concretizar oportunidades de financiamentos para projectos de reconhecido interesse social.

O Banco de Desenvolvimento do Conselho da Europa (CEB) foi criado em 1956, com a missão de financiar projectos na área da coesão social (habitação social e criação e manutenção de postos de trabalho), construção e reabilitação de infra-estruturas, transportes e de serviços administrativos e judiciais, dando resposta a necessidades de recuperação, específicas do pós-guerra.

A missão do CEB foi posteriormente alargada ao financiamento de projectos nas áreas do ambiente e do desenvolvimento do capital humano (saúde, educação, formação profissional e infra-estruturas adjacentes) . Podem candidatar-se entidades do sector publico (nacionais, regionais ou locais), entidades privadas sem fins lucrativos e organizações empresariais (PMEs). O CEB financia até 50% do total do investimento, de forma rápida e flexível, com reembolsos de 10 a 20 anos e uma carência de capital de um a cinco anos, além de taxas de juro muito favoráveis.

No ultimo workshop de apresentação do CEB em Lisboa, em 20 de Fevereiro e no Porto a 21 , estiveram presentes o Secretário de Estado do Tesouro e o Vice Governador do CEB, Mr. Apolónio Ruiz – Ligero, onde foram expostos os critérios de avaliação e elaboração de projectos que, no dizer do responsável por Portugal se resumem, numa fase inicial, a uma condensação, em 2/3 páginas, dos objectivos, localização, porque é um sector especifico de actuação prioritária, nome do candidato e possíveis garantias, principais efeitos financeiros e valor acrescentado,, resultante da participação do CEB, gestão e benefícios finais, plano de custos, implementação, indicativo das condições financeiras e identificação dos possíveis riscos do projecto.

No referido workshop realizaram-se vários encontros bilaterais entre os responsáveis do banco e entidades que manifestaram esse interesse. Para informações complementares, contactar o Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério das Finanças ou consultar o site: www.gpeari.min-financas.pt.

Posted in Destaques | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

A AMEAÇA GLOBAL – O IMPÉRIO EM CHEQUE

Posted by ntmad em 19 04 2008

A Guerra do Iraque em crónicas – De Agosto 2002 a Março 2008

Teve lugar no Instituto de Estudos Superiores Militares em Pedrouços, perante um anfiteatro repleto, no passado dia 1 de Abril, o lançamento do livro em título, da autoria do nosso associado nº3053, General José Alberto Loureiro dos Santos.

Natural de Vilela do Douro – Paços, concelho de Sabrosa, possuidor de um vasto currículo académico e profissional, o General Loureiro dos Santos foi, como é bom recordar, Chefe do Estado Maior do Exército, Vice-Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas e Ministro da Defesa Nacional dos IV e V Governos Constitucionais.

É conferencista e autor de obras e de artigos na imprensa especializada em assuntos sobre Estratégia, Segurança e Defesa, tendo publicado vários títulos na Editora Europa-América, dos quais este, que agora se assinala, é o mais recente.

A apresentação do livro esteve a cargo do Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Dr. Luís Amado, e do Senhor Tenente-General Abel Cabral Couto (outro ilustre transmontano), os quais teceram louváveis considerações e notáveis elogios à obra agora dada à estampa.

A Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro, especialmente convidada para esta dignificante cerimónia, agradece a atenção e congratula-se com a profícua actividade literária do Senhor General Loureiro dos Santos, esperando sempre por futuros desenvolvimentos nesta temática que muito providencia pela abertura de novos horizontes no devir da Pátria que muito amamos.

No exemplar deste livro que, apartir de agora, passará a fazer parte do acervo da biblioteca da CTMAD, encontra-se a seguinte dedicatória, que o autor teve a amabilidade de escrever:
“Para a Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro, com a satisfação de pertencer a uma associação que tão bem representa os transmontanos e alto durienses” 01.04.08, Ass. Loureiro dos Santos.

Posted in Livros | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

Novo livro de Bento da Cruz

Posted by ntmad em 17 04 2008

“Prolegómenos”, a última obra de Bento da Cruz, vai ser apresentada ao público no próximo dia 8 de Maio, pelas 18 horas, no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa.

Pelas 20:15 horas, haverá, na Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro, um jantar de confraternização para o qual se pede aos interessados que se inscrevam até ao dia 5 de Maio , pelo telefone 217939311.

O livro será apresentado por Francisco José Viegas, figura prestigiada da cultura portuguesa e muito ligado à Província de trás-os-Montes e Alto Douro.

Posted in Livros | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Editorial – Homenageemos Trindade Coelho

Posted by ntmad em 13 04 2008

Comemora-se este ano o primeiro centenário da morte de José Francisco de Trindade Coelho, um nosso conterrâneo nascido em Mogadouro no ano de 1861.

A Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro tem o dever de honrar a memória deste ilustre transmontano, não só pelo facto de se tratar de um escritor português de nomeada, mas também porque foi um dos fundadores da nossa Instituição, tendo nela desempenhado os cargos de Presidente da Assembleia Geral e Director dos Anais.

A sua dedicação à nossa Casa está indelevelmente presente na nossa sede, pois que o mobiliário de escritório nobre que faz parte da nossa actual Biblioteca foi objecto de uma doação sua.

Vindo ao encontro da vontade que já tínhamos de prestar homenagem a esta grande figura de escritor, pedagogo, jornalista, jurista e político, a Câmara Municipal de Mogadouro lembrou-se, em boa hora, de nos propor a celebração de um protocolo que nos permitirá, em conjunto com ela, prestar a justa homenagem que desejamos seja grandiosa para honrar condignamente a memória deste ilustre Mogadourense. Esta será, aliás, a segunda grande participação da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro num processo com tão justo e digno objectivo, porquanto a primeira decorreu no ano de 1947, quando uma Delegação nossa participou em Mogadouro numa sessão magna de homenagem à memória e obra desse grande escritor, da qual viria a resultar a edificação do monumento ao mesmo que ainda hoje sobressai na sua terra.

Quando o grande cientista e político Benjamin Franklin afirmava que de todas as dívidas a mais sagrada é o reconhecimento, ele tinha razão, porque reconhecer e agradecer a grandeza e generosidade de um espírito criador e nobre como o de Trindade Coelho engrandece quem o faz e constitui um exemplo para os outros, em particular para os mais novos, ensinando-os a manter viva a memória dos grandes homens do nosso país, porque eles constituem a alma de um povo e o sangue oxigenado de uma nação.

O autor de «Os meus amores» e  «Outros Amores» , para além do virtuosismo da boa escrita, patenteia na sua vida e obra o amor à terra que o viu nascer. Ainda que tenha circulado por várias regiões por força da sua condição de procurador régio, decidiu escrever com base em cenários da sua terra natal, reflectindo nos diálogos a própria linguagem do seu povo.

Bem-haja pelo legado e pelo exemplo que nos deixou.

Posted in Editoriais | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

Universidade da Moldávia homenageia professor universitário português

Posted by ntmad em 12 04 2008

A Universitatea Pedagogica de Stat da República da Moldávia distinguiu recentemente o Prof. Doutor José Alcino Rodrigues Carvalho com o título de Doutor Honoris Causa por aquela Universidade.

A cerimónia da atribuição do título teve lugar em Chisinau, capital da Moldávia, em reunião pública do Senado da Universidade, no passado dia 25 de Fevereiro.

A distinção foi atribuída em reconhecimento do mérito da acção do Prof. Rodrigues Carvalho no âmbito da cooperação internacional universitária, bem como do apoio à integração da Moldova na área Europeia de Ensino Superior e à promoção dos objectivos de Bolonha naquele país.

O homenageado, associado da CTMAD, é natural de Carrazedo de Montenegro, concelho de Valpaços; frequentou o ensino secundário primeiro em Chaves e depois em Vila Real; licenciou-se  em Ciências Geológicas na Universidade de Lisboa (Faculdade de Ciências) em 1967, e doutorou-se na Universidade de Londres (Imperial College of Science Technology) em 1981; é professor da Universidade Nova de Lisboa, onde exerce actividade desde 1975;

Nos últimos três anos e meio o Prof. Rodrigues Carvalho integrou um grupo de trabalho onde se incluíam representantes de várias universidades da República da Moldávia e da  União Europeia bem como do Ministério da Educação e Juventude da Moldávia que se dedicou ao estudo de aspectos da integração da Moldávia na Área Europeia do Ensino Superior e no sistema de Bolonha.

Posted in Destaques, Jorge Valadares | Leave a Comment »

Mestre Nadir Afonso

Posted by ntmad em 7 04 2008

Estava agendada pela Direcção, uma homenagem a Nadir Afonso que iria ser levada a cabo muito brevemente.

 

Quando entrámos em contacto com o Mestre para acerto de datas e outros pormenores, fomos informados pelo próprio que um complicado problema de saúde o impossibilitava, para já, de participar nessa cerimónia.

 

Desejamos a Nadir Afonso um rápido restabelecimento, que lhe permita em breve o regresso ao trabalho das formas e da sua geometria e para podermos levar a cabo a homenagem que muito desejamos concretizar e que o Mestre merece.

 

A Direcção

 

Posted in Pintura | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Pecar e comer

Posted by ntmad em 7 04 2008

O padre Manuel Bernardes (1644-1710) foi um péssimo amigo da cozinha e dos cozinheiros. Este ilustre homem da Igreja, e líder de opinião naquele tempo, escreveu que “O demónio é cozinheiro; se vê que não gostamos do pecado guisado de um modo, tantos temperinhos lhe busca, até que nos abre a vontade, e se não levamos todo, contenta-se com que provemos algum bocado.” E continua afirmando que “comer saboreando-se e gozando os manjares não é de homem, mas de animais imundos que a toda a pressa e com toda a aplicação grunhem, e fossam, e se atolam no lameiro.” Mas vai mais longe afirmando que o taberneiro que baptize o vinho os seus pecados lhe serão perdoados. Claro que hoje quem misturar água ao vinho poderá ir preso, e justamente.

Já lá vai o tempo em que alguns prazeres eram associados ao pecado, e os artífices dessas Artes, os principais culpados. Apetece dizer hoje, Benditos cozinheiros, ou Benditos provocadores do pecado da Gula!

Estas afirmações devem-se ao início do século XVIII, quando apenas estava ainda publicado um só livro de receitas, e do cozinheiro da corte. Ainda não havia restaurantes em Portugal, com as características de hoje.

Dispomos de relatos curiosos de estrangeiros que visitaram Portugal nos finais do século XVIII e princípios do século XIX, depois de já conhecerem outros países, e que nos relatam o que seria a alimentação e os estabelecimentos de alimentação ao público mais conhecidos, que eram as hospedarias.

J. B. F. Carrère, em 1796 escreveu o seguinte: “Chega a hora da refeição: uma toalha com mais de oito dias de serviço, um garfo de ferro ferrugento e gorduroso, pratos rachados ou esbeiçados, sopa aguada, guisado a tresandar a fumo e com molho só temperado com sal, e um assado duro, seco e queimado, vão sendo postos na mesa que está tão suja como o chão em que assenta.

Em Lisboa há muitas hospedarias, mas nenhuma é boa. Numas as refeições são em mesa redonda e a preço fixo; noutras come-se o que se pedir, pagando-se conforme os pratos escolhidos.

…As hospedarias portuguesas são as piores, as melhores são dirigidas por estrangeiros.”

Outros viajantes escreveram sobre Portugal naquele tempo como Dabrymple, Costigan, Murphy, Gorani e especialmente William Beckford que nos deixou as suas memórias em livro nos dois períodos que viveu entre nós.

Mas estamos a entrar no século XIX onde as referências culinárias, o aparecimento dos primeiros restaurantes, a publicação de vários livros de receitas, a referência à própria gastronomia na literatura portuguesa, vão alterar as mentalidades da época.

As grandes informações e modas continuam a chegar de França, onde se inicia a publicação de crítica gastronómica. Basta lembrar Grimod de la Reynière, com os seus Almanaques, e que ainda publica o Manual dos Anfitriões em 1808, onde refere o papel importante dos Chefes de Cozinha. No entanto alerta que, um grande Chefe se estiver ao serviço de um grande senhor mas que não fale a sua linguagem, e não exija dele em permanência, em breve também o grande chefe entrará em decadência. É o conceito de grande Chefe executor e capaz de por em prática os anseios dos outros, do seu senhor, do seu mestre ou patrão. Claro que Câreme saiu deste grupo, criando o seu próprio estilo.

Mas regressemos a Portugal nos inícios do século XX.

Carlos Bento da Maia publica em 1904 o seu Tratado Completo de Cozinha no qual se lamenta do mau ensino profissional comparando com França “onde os discípulos, assentados nas suas bancadas, assistem às prelecções de um cozinheiro, que, tendo por trás da sua mesa um fogão, descreve o modo de executar, e executa ao mesmo tempo, os trabalhos relativos às iguarias que deve preparar durante aquela lição, iguarias cujos nomes estão indicados numa tabuleta do mostrador da aula.”

Em contrapartida queixa-se que “No nosso país, infelizmente, estão muito atrasados os ensinos profissionais e a maior parte dos directores de asilos têm o mau senso de ter serviçais para as educandas; de modo que em vez de criarem raparigas aptas para ganhar facilmente a vida com honestidade, criam pseudo – senhoras pretensiosas com desprezo pelos trabalhos manuais e tendo por futuro a miséria ou a vadiagem.”

Já naquele tempo a reconhecer que a qualidade da formação depende da qualidade dos formadores!

Até o Diário de Notícias, daquele tempo, apoiava este conceito que desenvolveu no seu editorial de 4 de Outubro de 1903. Lamentavelmente perdemos, no actual Diário de Notícias, agora a página de Boa Vida a que já estávamos habituados… e tantos chefes encontraram espaço! Hoje que tanto se publica sobre a culinária e outros temas ligados à alimentação tínhamos uma referência diária. Outro capítulo em que o futebol ficou a ganhar…!

Comer fora passou a ser uma necessidade e uma obrigatoriedade, pelo que também um prazer. Por isso também a vontade de maior informação.

 

© Virgílio Gomes

Posted in Sabores da Nossa Terra | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

A catedral das portas vermelhas

Posted by ntmad em 6 04 2008

A Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro vai organizar em Maio próximo um passeio à nossa região e à Galiza.

Faz parte do mesmo uma estada em Chaves.

Com jantar no Faustino, é claro.

Por isso tratei, aproveitando as férias da Páscoa que normalmente passo na minha terra natal, de me deslocar à velha catedral da Travessa do Olival para verificar in loco se tudo estava na mesma.

E estava, exceptuando não ter visto o meu bom amigo Eduardo Faustino que por motivos de doença não ocupava o seu posto de trabalho. Mas em compensação, tive a oportunidade de estar com sua esposa, Dª Odete, que me explicou a falta do marido.

Falta justificada.

Estive, vai-não-vai, para lhe perguntar o que iria oferecer aos nossos associados que vão participar no passeio.

A resposta óbvia “coisas boas” inibiu-me de o fazer.

Para quem ainda não conhece “a maior secção de venda de vinho a retalho do país” (J.N.V. 1942), o Faustino, que vai a caminho dos 90 anos, tem passado de geração em geração (lembro-me de lá ver o pai e agora vi lá a neta e bisneto), sempre atento aos sinais dos tempos e vai mantendo o que é de manter e alterando o que é de alterar.

Foi assim que uma velha serralharia, com o seu travejamento muito peculiar, da autoria de mestre Vicente Costa, marceneiro de profissão, se transformou naquilo que hoje é.

Mantendo o seu chão em paralelepípedos de granito, mesas com bancos de madeira, tonéis de 20 mil litros, 15 metros de balcão de pedra e bons petiscos, mudou parcialmente o menu, enriquecendo-o com novas iguarias e albergou actividades tão distintas e afinal tão próximas da gastronomia, numa alquimia perfeita de linguiça, exposições de pintura, pica-pau, coxinhas de rã, representações teatrais, orelha, salpicão, moelas, fados, alheira, bolinhos de bacalhau, variedades, iscas de cebolada, arroz de tomate, cerimónias diversas, salada de bacalhau “feita à mão”, batata frita à velha maneira, leite-creme, arroz doce.

Chega?

A integração de novas ideias e de novos projectos não lhe desvirtuou a alma e para quem, como eu, já lá vai há umas dezenas de anos, é sempre com prazer que assisto a este milagre faustiniano: muda, muda, muda e afinal… fica na mesma. Como a gente gosta.

Bom. Sem querer influenciar o leitor, caso se desloque pela primeira vez a esta velha Taberna, e apenas a título de exemplo, eu pedi e deliciei-me com pão centeio, queijinho de meia cura e umas tirinhas de presunto regional, para ir fazendo boca ao tinto do lavrador. Depois de uma sopinha de cebola, foi-me servido meio bife de vitela barrosã, com os temperos no ponto, a saber a carne de pasto e acompanhado de salada mista.

Terminei com um pratinho de aletria com canela.

Que mais poderia pedir?

Creio que nada.

Se vivesse em Chaves estaria disposto a encabeçar uma manifestação a protestar contra o encerramento aos Domingos.

Como vivo em Lisboa…entendo perfeitamente que o pessoal tire um dia de descanso. Até porque bem o merece.

Posted in Castor, Património | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

Comunicado da Direcção sobre o Conselho Regional

Posted by ntmad em 6 04 2008

A Direcção, após uma cuidadosa análise do trabalho desenvolvido pelo anterior Conselho Regional, considerou que aquele teve um desempenho globalmente positivo, pese embora ter-se constatado que apenas 16 dos 39 conselheiros participaram em 4 ou mais reuniões em 7 possíveis (excluindo a primeira e a última), e dois não participaram em qualquer reunião. Ao iniciar o processo de constituição do novo Conselho Regional verificou várias debilidades tanto na composição da massa associativa da Casa, que condicionam a composição do Conselho, como na distribuição dos anteriores conselheiros que criam alguns problemas à constituição deste órgão:

  • Ao analisar a constituição da massa associativa, a Direcção verifica que existe uma altíssima percentagem de associados sem vinculação a qualquer Concelho, o que impede a consideração de muitos deles para futuros Conselheiros Regionais.
  • Por outro lado, dos que declaram essa vinculação, existe uma fortíssima assimetria na distribuição dos sócios por Concelho, pois em 35 concelhos da região TMAD, tendo em conta só os que pagaram quotas desde 2005:
  • 10 Concelhos (Valpaços Chaves, Bragança, Vila Real, Mirandela, Vinhais, Macedo de Cavaleiros, Vimioso, Montalegre e Torre de Moncorvo) têm 66% do total;
  • 10 Concelhos (S. João da Pesqueira, Santa Marta de Penaguião, Tabuaço, Vila Nova de Foz Côa, Boticas, Mondim de Basto, Resende, Armamar, Mesão Frio, Penedono) têm menos de 10 sócios declarados;
  • Destes, 6 Concelhos [Resende (2 associados), Armamar (1), Mesão Frio (1), Penedono (1), Figueira de Castelo Rodrigo (0) e Meda (0)] não têm número de sócios suficiente para terem 3 conselheiros no Conselho Regional, e os dois últimos não podem ter mesmo qualquer conselheiro.
  • No que respeita aos conselheiros, dos 33 concelhos com sócios (dos 35 da região) foram empossados 39 conselheiros, num limite possível de 92 (o limite estatutário possível para estes Concelhos é de 99, e o absoluto, para todos os concelhos da região, é 105), mas:
  • De 8 concelhos (Armamar, Figueira de Castelo Rodrigo, Meda, Peso da Régua, Penedono, Sabrosa, S. João da Pesqueira, Tabuaço) não existem conselheiros;
  • Por via das eleições o número de conselheiros do extinto Conselho Regional que podem ser reconduzidos é de 33, visto 6 terem passado a fazer parte dos novos Corpos Gerentes, pelo que 2 concelhos (Boticas e Murça) ficaram sem conselheiros a reconduzir, num total de 10.

Com este enquadramento, a Direcção está empenhada em que os sócios que desejem acompanhar de perto a actividade da Casa o possam fazer naquela estrutura consultiva, nos limites impostos pelos Estatutos, sem prejuízo todavia de que todos os Conselheiros a nomear assumam o compromisso de nele participar assiduamente, num claro espírito de colaboração na prossecução dos objectivos que a Casa se propõe levar a cabo.

Assim ao abrigo do nº 1 do artigo 26º dos Estatutos da CTMAD a Direcção propõe-se reconduzir imediatamente os conselheiros que no anterior Conselho participaram em 4 ou mais reuniões em sete possíveis (da 2ª à 8ª), por se ter entendido poderem dar garantias mínimas de disponibilidade, desde que não pertençam aos actuais Corpos Gerentes, e façam chegar à Direcção até ao dia 21 de Abril a indicação de que estão disponíveis para garantir uma actividade regular e empenhada nos trabalhos do Conselho Regional. Se os reconduzidos aceitarem, estão já representados 13 Concelhos, com 13 conselheiros, havendo ainda muito trabalho a fazer para criar uma mais ampla representação.

Todos os anteriores conselheiros que não se encontrem na situação supracitada, serão considerados em igualdade com todos os outros sócios, mediante ponderação casuística da sua disponibilidade para o exercício do cargo.

A Direcção apela aos sócios da Casa para que se disponibilizem para serem conselheiros. Para que se possa ter uma Casa e um Conselho Regional pujantes, é necessário eliminar a assimetria de composição da massa associativa assinalada anteriormente, que tenhamos mais sócios, e que estes, por se orgulharem de pertencer a uma Associação com mais de cem anos de existência, procurem propor novos Conselheiros e trazer mais associados, e.g. os oriundos daqueles Concelhos em que é exíguo esse número, ou mesmo inexistente, e sobretudo mais receitas para que, unindo esforços, possamos levar a bom porto aquilo a que nos propusemos. Só assim será possível um reforço do Conselho Regional, com conselheiros oriundos de todos os Concelhos, até ao limite absoluto de 105 conselheiros.

CTMAD, Lisboa, 25 de Março de 2008

A Direcção

 

Posted in A Nossa Casa | Com as etiquetas : | Leave a Comment »