Notícias de Trás-os-Montes e Alto Douro

Orgão da Casa de Trás-os-Montes e Alto Douro de Lisboa

Archive for Novembro, 2008

Desenvolvimento sustentavel de Tras-os-Montes e Alto Douro

Posted by ntmad em 29 11 2008

I – O vale do Tua
 
Desde a sua fundação que, primeiro no Club Transmontano, e nas últimas décadas na nossa casa de Trás-os-Montes e Alto Douro, esta instituição tem procurado debater e aprofundar ideias sobre as questões estruturais relacionadas com o desenvolvimento e a melhoria das condições de vida na nossa região.

Nesse sentido, e numa primeira iniciativa da presente direcção, a Casa Regional de Trás-os-Montes e Alto Douro e o Instituto da Democracia Portuguesa (IDP) vão organizar no próximo dia 13 de Dezembro, Sábado, pelas 15 horas,  uma Sessão-debate sobre o desenvolvimento sustentável do Vale do Tua, o qual abrange e diz respeito aos seguintes 5 municípios: Alijó, Carrazeda de Ansiães, Mirandela, Murça e Vila Flor. 

A nossa Instituição está aberta a toda a discussão e a todos os pontos de vista acerca do desenvolvimento da região (e de outras da nossa querida área natural, sobre outros temas que oportunamente possam surgir).

Foram convidados os Presidentes dos Municípios do vale do Tua, já que, com todo o seu conhecimento e experiência, muito poderão contribuir para o debate do projecto apresentado pelos técnicos especialistas do IDP.

Apelamos à presença de todos os associados que  se manifestem interessados no desenvolvimento sustentável da nossa região. A sessão será antecedida de um almoço que decorrerá na nossa Sede, situada no Campo Pequeno, Nº 50-3º Esq.
 
Por razões logísticas solicitamos a todos os que pretendam participar no almoço que se inscrevam previamente pelo telefone 217939311.

 

Anúncios

Posted in A Nossa Terra | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Vale de Gouvinhas

Posted by ntmad em 28 11 2008

A cerca de 20 Km para NNO de Mirandela, entre os rios Tuela e Rabaçal na margem direita e esquerda, respectivamente encontramos a freguesia Vale de Gouvinhas. Tem actualmente cerca de 500 habitantes, números bem diferentes dos censos de 1950, tinha 942, dos quais 477 eram do sexo masculino e 465 do feminino.

É uma terra em constante movimento e já com sinais claros de algum desenvolvimento quer ao nível de formação superior das suas gentes, quer a nível de infra-estruturas. Apesar dos tempos difíceis para generalidade das nossas aldeias transmontanas tentamos, também nós, remar contra a maré no sentido de estancar aquela que é a maior calamidade dos tempos modernos, ou seja, a desertificação do interior.

Terra que apesar de não ter tido grande imigração, tem parte dos seus naturais, cerca de 350, a residir na área da grande Lisboa, Porto e uma pequena população espalhada pelo resto do mundo.

É uma terra de algum sucesso, pois sempre investiu na educação, prova disso são os cerca de 170 licenciados nas mais diversas áreas e que de alguma forma estão em estreita ligação com a freguesia.

Terra por excelência de bom azeite, tem ainda hoje alguns jovens a investir na actividade, escolha sempre difícil é verdade, mas que felizmente está a  dar bons resultados. O facto de terem sido os mais jovens, pessoas já dotadas de melhor formação, levou-os a adoptar uma estratégia não só de produção mas também de comercialização, bem exemplo disso é o aumento significativo da produção de azeitona/azeite seguido de aumento da qualidade. Mas terá sido na cura e comercialização de azeitona de conserva que conseguiram arranjar uma verdadeira alternativa ao mercado tradicional de  venda de azeite a baixo custo, direccionado assim a sua actividade mais para esta vertente, estando já uma boa  parte a ser exportada.

A Junta de Freguesia, apesar das dificuldades,  não olha  a meios para manter vivos os valores, as tradições e costumes de outrora sem nunca perder de vista o futuro. Tudo faremos para continuar a equipar de mais e melhores infra-estruturas a nossa terra de modo a irmos de encontro às necessidades e anseios da população. A vertente social é hoje a nossa maior preocupação, bem exemplo disso foi o apoio dado a todos os níveis para criação da “Associação Terras do Marião”. Ainda jovem é verdade! mas já reconhecida como IPSS e com um projecto para a construção de um Lar apresentado à Segurança Social para comparticipação financeira.

Também na área cultural em parceria com a Associação Cultural temos entre outras actividades, desde há 3 anos, a funcionar um posto público de Internet. Sendo normal verem-se crianças e adultos a servirem-se das valências que esta oferece.  

Mas como parar é morrer, diz o ditado, outras áreas existem onde o investimento  se tem feito notar.

A sede de freguesia e a anexa de Quintas encontram-se actualmente a receber obras de remodelação das redes de abastecimento de água e saneamento básico, bem como a construção de ETAR’S mais amigas do ambiente. Brevemente terá também lugar a repavimentação do acesso de Valbom Pitêz.

Na rede viária temos feito um enorme esforço. Com efeito a Junta de Freguesia inaugurou no passado dia 18/11/2007 a estrada e respectiva ponte sobre o rio Tuela “PONTE DO MOLEIRO” que liga as aldeias de Vale Maior a Mosteiró estabelecendo-se, deste modo, a ligação definitiva entre as populações de ambas as margens outrora  de costas voltadas por falta destas infra-estruturas, ligando neste local as freguesias de Vale de Gouvinhas, Torre D’ Chama, Múrias, Mascarenhas e outras.  Esta obra de grande envergadura reveste-se de grande sentimentalismo  para as populações locais.

É ainda de salientar que esta ligação reduz em cerca de 15km a distância entre estas últimas a Valpaços.  

A obra foi financiada pelo Ministério da Agricultura e Câmara Municipal de Mirandela, sendo um bom exemplo de gestão como fez questão de relembrar o Sr. Director Regional Agricultura do Norte Arqº Carlos Guerra.

Como complemento a estas obra  pretendemos a construção duma praia fluvial e a criação da “Rota do Moleiro” a candidatar ao QREN.

De destacar foi também a homenagem que se pretendeu fazer a todos os moleiros que durante tempos imemoriais tanto contribuíram para o bem estar das populações locais, daí o nome “PONTE DO MOLEIRO”.

E porque o tempo não espera, temos forçosamente que o acompanhar para que os caminhos do futuro nos tragam o progresso que tanto ambicionamos e desta forma combater a malvada desertificação. A freguesia de Vale de Gouvinhas através das  suas gentes, associações e autarquia continuarão a trabalhar para construir um futuro melhor e mais próspero por forma a dar à sua população a qualidade de vida que todos merecem.

Um abraço amigo das gentes da Freguesia de Vale de Gouvinhas. 

O  Presidente da Freguesia

Rui Sá

Posted in A Nossa Terra | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

A chegada do Inverno

Posted by ntmad em 25 11 2008

Por muitas e variadas propostas que tenha em mente para redigir estas crónicas, quando chega o dia em que as devo concretizar, não me recordo delas e pior, não sei como começar. A disciplina da escrita desenvolve, por vezes, algumas ansiedades até que o escrito fica pronto. Hoje estou num desses dias, e o começo da chuva traz-me inspirações repetitivas como a matança do porco, as castanhas e os magustos, as sopas completas, as chegadas à lareira com os enchidos de remédio convivial, … e a lembrança de que já escrevi sobre todos esses temas.

A região de Trás-os-Montes e Alto Douro é pródiga em feiras nesta época do ano. A que causa mais admiração é a famosa Feira dos Gorazes de Mogadouro. Para provocar a resposta que eu já sei pergunto algumas vezes, a oriundos do Sul, se sabem o que é esta feira, indico a localização e praticamente a totalidade me responde com perguntas sobre a razão de uma feira de peixes, porque razão o “goraz” é tema de feira nesta localidade e todos ficam surpreendidos com a minha resposta. De facto até muitos transmontanos desconhecem a origem desta designação. Ao que sei “goraz” era o nome dado à taxa, contribuição, para poder participar com produtos para venda nesta feira onde se comercializava tudo. Claro que com a evolução o âmbito da feira alargou-se, tem espectáculos e é possivelmente o evento mais importante de Mogadouro. Para além das vendas variadas há um importante capítulo de actividades lúdicas. Inicialmente estas feiras eram dedicadas aos produtos alimentares e comércio de gado, e outras actividades agrícolas.

Mas o panorama de animações de feiras, e mostras, está a aumentar. Fiquei agradavelmente surpreendido com a Festa das Sopas e Merendas em Freixo de Espada à Cinta. E porque somos ainda um País de Sopas, sopas completas que constituem uma refeição, e de merendas… felizes aqueles que ainda as podem fazer.

No programa, prevê o dia de abertura, uma manifestação especial, degustação, apresentada por um trio que garante, cegamente, o seu sucesso: Restaurante Flor de Sal, Confraria dos Enófilos e Gastrónomos de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Escola de Hotelaria de Mirandela. Quando esta crónica for publicada já, de certo, esta degustação foi devolvida à Natureza. No entanto, corro o risco de vos abrir o apetite e não esquecer a próxima edição desta festa.

Ora aqui vai o cardápio: “Aveludado de Abóbora Menina, com Gengibre raiado de Azeite de Trás-os-Montes e palitos de Queijo Terrincho Velho”. Bem, podemos ficar espantados com estas misturas. Fora de questão está a utilização de três produtos tipicamente locais, podemos é estranhar a utilização do gengibre. Este, assumido como um fármaco até ao século XVIII, tem uma função importantíssima nesta preparação que é aumentar o sabor da abóbora, habitualmente adocicada por natureza.

“Almôndegas de Azeitona Negrinha de Freixo na Companhia de Migas de Bispo”. Quanto a esta confecção tenho que remeter os leitores para as obras de receituário do meu Amigo António Monteiro, designadamente os registos do livro “O Azeite e as Azeitonas” e ainda para o recente, e excelente, livro “Palavras do Olival”, ambos do João Azevedo Editor. Apenas vou referir a curiosidade das Migas do Bispo. Parece que assim são designadas por ser um prato rico confeccionado durante as visitas episcopais, e que teriam uma grande variedade de legumes, feijão-frade, ovos, vinho…

“Rabos de Polvo das Bruxas em Torradas de Azeite e Alho”. Sem novidades excepto a sua apresentação que será, possivelmente, como um petisco. Desde cedo que o polvo marcou presença entre nós pela sua capacidade de conservação, em seco. Recentemente, em encontro gastronómico com nuestros hermanos da Galiza, afirmavam eles que um dos elementos comuns connosco é o polvo. Sim, que eles preferem e acham-se mais parecidos com o Norte de Portugal do que com a Espanha! Das “Bruxas” acho muita graça, e com seriedade, pois eu sou um devoto das Bruxas conforme terão percebido os que leram a minha última crónica na qual apresentava o meu conceito de “Bruxas Boas”, que são as fadas dos adultos.

“Ensopado de Perdiz em Tomatada”. Aparentemente sem história mas, às vezes, o mais simples é o mais complexo. Garantida que esteja a qualidade do pão, perdiz selvagem e o tomate bem tratado.

“Cabrito com Marmelos e Figos, e Crocante de Amêndoa”. Ora aqui temos um exemplo de influências da permanência dos “mouros” entre nós. Não podemos esquecer que após a sua expulsão fomos tolerantes e deixámos ficar todos aqueles que estavam ligados à alimentação designadamente os comerciantes que andavam de feira e que eram os únicos, até á descoberta do Brasil, que comercializavam o açúcar de cana. Hoje em dia é fácil encontrar em todo o Magreb o cabrito assado com marmelos. Pena é que nós apenas o usemos para fazer marmelada. E os “Marmelos Assados no Forno com Mel e Canela”? Estão quase a desaparecer. E os “Marmelos em Calda”? Os lisboetas ainda podem comer no restaurante “Farta Brutos” no Bairro Alto. Figos de todos os países do Mediterrâneo mas que, nestas coisas de comer, os mares sobem facilmente até às montanhas. A cozinha de fusão, hoje identificada, foi um processo lento e que confirma como as questões do quotidiano evoluíram num cruzamento de prazer para a vida das sociedades.

“Papos de Anjo de Azeitonas com Gelado de Vinho Moscatel”. Fecham com chave de ouro. Os mais cépticos já enrugaram a testa com a perversão das azeitonas nos Papos de Anjo. Os anjos, pelas suas virtudes saberão acolher e valorizar todos os que pretendem protecção. Viva a imaginação! E não esqueçamos os versos populares, cantados em dias de feira ou romaria, de outra especialidade celestial: “O nome toucinho-do-céu/ tem a sua explicação/ toucinho pelo ingrediente/ do céu pela satisfação.” Olhemos para as azeitonas adoçadas, com mais ternura.

Genericamente sobre “Sopas e Merendas” parece-me que seria bom parar um pouco e reflectir sobre o inferno das acelerações diárias, com pequeno-almoço rápido e deficiente, almoços ainda piores e o abandono da refeição do meio da tarde, que é a merenda. Sem querer armar-me em nutricionista, nem dietista, há pequenos conselhos que deveríamos por em prática. Um pequeno-almoço tranquilo e equilibrado garante um dia melhor. Às refeições sempre sopa. Quantas vezes uma boa sopa, sopa completa, faz uma verdadeira refeição. Por alguma razão nos quartéis e hospitais a sopa era parte obrigatória nas refeições e quase sempre o melhor componente. Comam sopa pela vossa saúde.

E agora as Merendas. Quantas vezes associadas a passeios ao campo, apetite entre refeições, e que no passado serviam para revigorar forças nos trabalhos do campo. Ainda me lembro de merendar pão de centeio com uvas. Pão de mistura com enchidos ou bom presunto.

Para não variar, cá estive eu a desviar o tema que me propus tratar. Mas tudo em louvor das nossas terras. E nesta época de Inverno saudemos a feiras ou festas dos nossos bons produtos, da castanha, da abertura do vinho novo ou dos célebres enchidos.

Mesmo ao terminar esta crónica, acabo de receber a notícia que as Equipas Olímpicas Portuguesas da Culinária acabaram de receber duas medalhas de bronze, em disputa na Alemanha entre cinquenta e três países. Portugal está representado por um equipa sénior da qual faz parte o nosso conterrâneo Manuel Bóia, e uma equipa júnior chefiada pelo nosso também conterrâneo António Bóia, ambos naturais de Santulhão e que são irmãos. Parabéns a todos.

BOM APETITE!

© Virgílio Gomes

Posted in Sabores da Nossa Terra | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Crónicas em Mirandês

Posted by ntmad em 25 11 2008

O mirandês é uma língua astur-leonesa, que pertence ao grupo das línguas românicas. Durante séculos foi uma língua de transmissão oral, tendo sido dada a conhecer à comunidade científica e estudada pela primeira vez por José Leite de Vasconcelos, no fim do séc. XIX. Estima-se entre 7 e 10 mil o número actual de falantes, incluindo os que habitam no Concelho de Miranda do Douro, em três aldeias do Concelho de Vimioso e os i/emigrantes. Foi oficialmente reconhecida pela lei nº 7/99, de 29 de Janeiro, aprovada por unanimidade pela Assembleia da República.

Com o objectivo de contribuir para manter viva esta língua, o Centro Nacional de Cultura decidiu destacar semanalmente neste portal as crónicas em mirandês publicadas no semanário regional, A Voz do Nordeste pelo Dr. Amadeu Ferreira, presidente da Associaçon de Lhéngua Mirandesa.

 Çparaba rajadas de bersos

Tenie, cumo you, catorze anhos i andábamos dambos a dous ne l Seminário de Bergáncia, ne l quarto anho, l que agora le cháman uitabo anho. Anque andubíramos juntos hai quatro ou cinco anhos, lhembra-se-me nessa eidade porque mos sentábamos an carteiras ua al lhado de la outra. Siempre le admirei la marrafa bien puosta al para trás, que you nunca fui capaç de la adominar por bien auga que le botasse al pelo, a quantas mais fazer óndias cumo l del! Inda hoije, l’eimaige que guardo del ye essa: la bida lhebou-lo, pouco tiempo apuis, por outros caminos i a mi deixou-me-lo siempre moço.

La sala de studo custaba a calcer ne l eimbierno, inda que fúramos arrimado a cien. Por bien calhados i quietos, bundaba ua tossidela, un lápeç a caier, un cerrar menos lhebe la tapadeira de la carteira, un arrastrar de pies, un albantar – senhor purfeito puodo ir a la retrete? tire-me eiqui ua dúbeda, puodo ir al miu colega a pedir uns apuntamientos?, – ou algo assi para que aqueilha sala nunca fura calhada cumo la missa. Cada carteira era un mundo, que até segredos chegaba a guardar. El era siempre l purmeiro a acabar la traduçon de lhatin, i lhougo ampeçaba a çparar rajadas de bersos acontra l fondo de la carteira, que mal se oubien: la capa negra cun que mos tapábamos nun deixaba l sonido salir para fuora, mas sentie-lo cumo se alredror s’albantara un airico a beilar; nin un mirar pa l lhado anunciaba la hora de ls bersos, nin ua fuolha anriba la carteira ls podie arrecolher, táticas de camuflaige que l poeta tubo que daprender zde cedo. Ls bersos éran la nuossa guerra, siempre cuntados na punta de ls dedos, ambaixo la carteira. Yá bien bezes habiemos dezido que nun balie cuntar puls dedos, mas eilhes nunca aceitában quedar de fuora de la fiesta. Mui ralo le ganhaba, na métrica, nas eimaiges guapas, ne ls temas, na spuntaneidade cun que l berso le salie.
A soutranho, yá nun quedemos juntos, que deixou l seminário. Nun l tornei a ber. Muitos anhos apuis, inda an Bergáncia, soube la nobidade: matórun a Nuno Galvão na guerra, an Moçambique. Cuntaba-se que yá tenie ua rapazica pequerrixa, que nunca coinci. Alguns anhos a seguir, bieno l 25 de Abril i acabou cula guerra quelonial: tamien you stube nesse die i lhembra-se-me de pensar que l sangre se habie arrecolhido al burmeilho de ls crabos, l sangre tamien de Nuno Galvão i outros: siempre mirei pa esses crabos dun modo special. A el inda l beio, moço, a cuntar bersos cumo quien çpara ua matralhadora, que ls poetas nunca se muorren, nunca ls bersos se cálhan, que sous bózios nunca cáben nas fuolhas. Quien me dira inda tener aqueilhas fuolhas de papel als quadricos – de quei screbiemos nós cun catorze anhos? – i neilhas ampalpar que nin todo era malo.

Scribo esta crónica cumo houmenaige al miu amigo i poeta Nuno Galvão, de Milhão, porque hai dies me lhembrei del, al ler algo que me eimocionou. Nua palhestra subre l 25 de Abril, un garotico de 7 anhos preguntou-le al tiu de MFA que alhá staba a falar: porque nun fazistes l 25 de Abril mais cedo? Assi, yá nun haberien matado na guerra a miu abó, nin miu pai quedado sin pai quando tenie la mie eidade.

www.e-cultura.pt

Posted in A Nossa Terra, Poesia e Literatura | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

O magusto da CTMAD de dia 16 de Novembro

Posted by ntmad em 22 11 2008

O nosso amigo e conterrâneo Costa Pereira de Mondim de Basto publicou no seu blog Portugal, minha terra um artigo excelentemente ilustrado sobre o magusto da nossa Casa, ao qual pode aceder clicando aqui.

Posted in A Nossa Casa, Festas e Eventos | Leave a Comment »

Editorial – A nossa vetusta «Dama» fez 103 anos

Posted by ntmad em 22 11 2008

Foi com muita alegria que diversos associados estiveram envolvidos num fraternal convívio comemorativo de mais um aniversário da nossa vetusta «Dama» que é a CTMAD. Vetusta significa exactamente respeitável pela sua antiguidade e a nossa «Dama» merece que a veneremos e que façamos por ela tudo o que merece.

A nossa «Dama» tem, como qualquer ser vivo, momentos de melhor e pior saúde. A nossa, ao longo dos seus 103 anos de vida, não fugiu à regra. Teve momentos de franco progresso, outros de estagnação e outros mesmo de tão trágica situação que quase a conduziram à morte. Conheceu sucessos e insucessos, mas felizmente sobreviveu, está bem viva e recomenda-se.

Tal como um ser humano, a nossa «Dama» também vive de projectos, uns concretizados outros não. Foi exactamente o que sucedeu nestes primeiros meses em que a actual direcção, a que me orgulho de pertencer, tomou conta dos seus destinos. Lembro os prezados leitores (e leitoras, não o esqueço!) que nada prometemos para além do trabalho e dedicação, pois como se costuma dizer, «de promessas está o Inferno cheio».

Pautamo-nos por grandes objectivos e nunca os tirámos do pensamento. Pelo contrário, focámos neles toda a nossa atenção e vontade de cumprir. Mas o pior é que nem sempre o cumprimento dos objectivos está inteiramente nas nossas mãos. Por isso, nestes cerca de 8 meses de governação, conseguimos acelerar o passo no caminho de algumas metas, mas ao mesmo tempo esbarrámos com grandes dificuldades para progredir a caminho de outras. Assim, por exemplo, se por um lado conseguimos organizar e participar em diversas actividades de carácter cultural, cumprindo o desígnio de fazer da nossa Casa uma fonte disseminadora da cultura da nossa região, por outro lado não conseguimos até ao momento, contrariamente ao que prevíamos, por a funcionar o Conselho Regional, isto independentemente do esforço nesse sentido desenvolvido por alguns diligentes associados de que destaco os nomes do nosso Colega de direcção António Costa, agora ausente em Glasgow enquanto dura a sua licença sabática e substituído neste interinamente pelo colega Carlos Cordeiro e do sempre dedicado e entusiasta Dr. Guedes Vaz que como é sabido foi o Presidente do Conselho Regional cessante. Que outros associados lhe sigam o exemplo é um desejo que aqui deixo expresso. Infelizmente os sucessivos apelos que eles e outros têm feito para a participação nesse importante órgão ainda não encontraram a merecida resposta pelo que teremos de arrancar com os que já se dispuseram a colaborar, na esperança de que com o arranque do funcionamento do mesmo outros associados de outras autarquias ainda sem representantes se disponham a integrar o mesmo.

Voltando à questão das metas para que se caminha muito, pouco ou nada, sei que também estarão a pensar no objectivo fulcral que é a nova SEDE. Acreditem que de modo algum está esquecido e a Colega da direcção Drª Maria de Lourdes Marques tem-lhe dedicado todo o cuidado e atenção que merece. Mas algum de vós pensará que temos connosco uma varinha mágica que nos permita de repente resolver esse já demasiado prolongado problema?! À nossa voz respondem ecos bem audíveis de que as coisas estão muitíssimo (mais do que muito!) bem encaminhadas, mas como já tantas promessas se fizeram a que se seguiram enormes desilusões, preferimos ficar por ora calados até vermos concretizado tudo aquilo que ouvimos, «preto no branco

Quero terminar este meu breve editorial com uns justos agradecimentos e merecidas felicitações a todos aqueles que contribuíram para a Festa de aniversário da nossa «Dama».

O primeiro agradecimento, puro e simples, mas muito sincero, vai para todos os Colegas de Direcção que comigo têm partilhado momentos alegres a par de momentos de angústia. Bem hajam pela entrega à vossa missão e felicito-vos publicamente por a cumprirem o melhor que vos tem sido possível. Prometemos ser uma comunidade de pensamento e acção dentro da nossa CTMAD, unido em torno dos nossos objectivos e creio que o temos conseguido. Um oportuno e particular agradecimento ao nosso Presidente da Assembleia Geral, Prof. Guilhermino Pires a cuja intervenção se deveu a oferta gratuita das instalações do local onde decorreram as festividades, ao Vice-Presidente da direcção António Cepeda, ao vogal Manuel Martins e aos que com eles contribuíram para a organização desta última Festa que, pelos ecos que se ouviram, foi do agrado de todos quantos nos deram o prazer de estar presentes, ao Dr. Armando Jorge por ter aceitado o convite para realizar a palestra sobre Trindade Coelho, ao Dr. Altino Cardoso pela sua prestimosa colaboração na Missa, ao Dr. Serafim Sousa pela organização da Missa e colaboração no Leilão e ao Grupo Maranus pela alegria que nos proporcionaram, como sempre aliás.

Por fim mas não por último, felicito também e exprimo a minha gratidão como Presidente da Direcção a todos os sócios que foram agraciados pela sua condição de associados de longa data. A nossa «DAMA» precisa, como do «pão para a boca», de associados como vós. Ajudem-na todos no seu engrandecimento angariando mais associados. Precisamos de crescer para atingir a «massa crítica» que nos fará «voar mais alto» de modo a garantir que tal vetusta «Dama» tenha uma habitação mais digna.

____________________________________

 NA NOSSA FESTA DE ANIVERSÁRIO COLABORARAM GENEROSAMENTE:
 

Garrafeira Campo de Ourique

Rua Tomás da Anunciação nº29 A – 1350-322 Lisboa telefone: 21 397 34 94 fax: 21 397 59 61 garrafeiracourique@mail.telepac.pt

 
 QUEIJO TERRINCHO

D.O.P.

DE RUI TADEU

5360-493 VILAS BOAS – VILA FLOR

 

ADEGA COOPERATIVA

DE SÃO JOÃO DA PESQUEIRA

“VINHOS FRAGA DE OURO”

5130-323 – S.João da Pesqueira

  

BENJAMIM JORGE DIEGUES

VILA BOA – VINHAIS

PÃO-PRESUNTO-FUMEIRO

5320-000 Vinhais

 

 GRUPOS CORAL E DE CORDOFONES DA PT TELECOM

Posted in Editoriais | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

O Metro tombou ao rio

Posted by ntmad em 22 11 2008

por José Agostinho Fins

Uma vez mais, a quarta desde Janeiro/2008, o Metro de Mirandela, tombou na linha, semeando a morte!!… ceifando vidas!!….  “caiu numa pequena ravina de 4 metros!!!….”, segundo ouvi num dos noticiários da Televisão, nem importa em que canal!!…

Tendo o mais profundo respeito pela vida, e pela morte, bem como pela pessoa humana, não deixo de realçar que o metro já tombou quatro vezes, em oito meses, e que a ravina, no caso vertente, tinha quatro metros, (suponho de profundidade!!…), e foi dita de pequena!!…  o que será uma grande ravina!!??…

Desde que me conheço, tenho um fascínio por comboios!.. por ventura, pelas suas linhas em perspectiva, convergindo lá longe… não sei bem!…

Com que saudades recordo o comboio parado e a fumegar na bela estação de Mirandela!!… imagens que a memória guardou no tempo, no meu tempo!!…  que bela imagem aquela, fumegante!!.. que fantástica perspectiva!!…   que saudades!!…

Durante anos, décadas, o comboio subiu e desceu o vale, acompanhando o rio Tua!… deambulou pelo planalto bragançano, de Mirandela a Bragança!… silvando, assustou, avisou, cumprimentou, deu as “boas horas”… a todos quantos o viam passar!!…  transportou tudo e tantos!!… transportou saudades e lágrimas, sorrisos e esperanças!!…   marcou o tempo!!!..

Mas os tempos mudam!…. “mudam-se os tempos, mudam-se as vontades…“, como escreveu, sabiamente, o glorioso Poeta, Luís de Camões… e, por conseguinte, o comboio, o saudoso comboio…. diluiu-se, desapareceu, chorou, sangrou fogo….    e, enfim , a “economia”, a sábia economia,  fê-lo desaparecer, como que o assassinou!!…  ao que parece a “economia” também mata!!!…

Não sei porquê, nem como, talvez fruto dos tempos, da evolução dos tempos,….  eis que aparece a circular nos mesmos carris, no caminho do comboio, o metro de superfície, o metro de Mirandela… que, contrariando a definição de “metro padrão”, se tornou maior, esticou, chegou de Mirandela a Carvalhais, depois de Mirandela ao Tua, e de Mirandela a Bruxelas!!…  “e se mais houvera lá chegara!“…. São, enfim, os segredos da física, os segredos da ciência, os segredos… certamente os segredos!!….

Ostenta a côr verde, o verde dos campos, o verde da esperança!!?….   mas, esperança de quê!?… de simular o comboio!?…  de substituir o comboio!?..  não sei, e certamente não entendo, nem tenho que saber!!… mas, enfim, dado que não há comboio, pois vejamos o “metro” passar!!…  mas, já que passa, pois que ele passe, que viaje, em segurança!…  com segurança!…  no respeito inquestionável pelas vidas que transporta!!…   isso é absolutamente necessário!!…   é um imperativo!!..   e para que isso aconteça são requeridas condições!!…  sim, são necessárias condições de segurança!!…

Não sei porquê, não entendo porquê, mas …  o “metro” tombou ao rio, ou numa pequena ravina de quatro metros!!!… e, pasme-se, desde Janeiro até Agosto já sofreu quatro acidentes, e fez mortes!!… fez mortes!!… matou pessoas!!….  semeou a morte no campo!!…. no mesmo campo onde devem plantar-se e cultivar-se flores!!…

O metro tombou ao rio!!…pergunta-se porquê, e como!!??…

O que se passa!?… não sei!!…   nem entendo!!… ninguém entenderá!!… nem quero propor nenhuma explicação técnica!!…  alguém o fará, ou fez, no espaço e no tempo certos, e com o rigor cientifico que a vida e a morte reclamam!!…

Suponho que o comboio, velhinho e sangrando ferrugem, onde quer que esteja, gelou!!.. chorou!!.. enraiveceu-se, por certo!!!… quis voltar aos carris e devolver essas vidas ceifadas!!…  o rio Tua fez parar as suas águas!!…  “….correu ao mar, o Tejo duvidoso!…“, como bem escreveu o genial Poeta!!!…

Neste momento de nostalgia, em que a tristeza me invade o peito, em que a incerteza do futuro me angustia a alma…..  fico a pensar e pergunto-me, buscando respostas:

– Que é feito do Rio Tua!??… talvez exista apenas nas lágrimas de saudade, de quantos lhe engrossam a corrente!!…

– Que é feito do Vale do Tua!??… talvez seja um vale de lágrimas, ou nisso se vá tornando, por sua desventura!!..

– Que é feito da linha do Tua!??… talvez esteja no desalinho de mentes desalinhadas, oxidadas, ou assombradas pela economia!!…

– Que é feito do comboio do Tua!??… talvez esteja apodrecendo, algures, devolvendo-se à Terra, em óxidos, apodrecendo com a saudade, das saudades que deixou!!…

– Que é feito dos Homens!?…  que é feito dos Homens!?…  sim, que é feito dos Homens!!??…

Posted in A Nossa Terra, Interioridade | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

103º Aniversário

Posted by ntmad em 22 11 2008

Decorreram no passado dia 27 de Setembro, nas Oficinas de S. José em Lisboa, as comemorações do 103º aniversário da nossa Casa.

Após a missa em sufrágio dos associados já falecidos, seguiu-se uma saudação de boas vindas aos presentes proferida pelo vice-presidente da Mesa da Assembleia-geral Dr. Artur do Couto no auditório, completamente lotado. 

De seguida tomou a palavra o associado Dr. Armando Jorge que, a propósito do centenário que agora decorre sobre o trágico desaparecimento de Trindade Coelho, proferiu uma interessante palestra sobre a ligação deste autor mogadourense e a CTMAD.

Seguiu-se um intermezzo musical a cargo do grupo coral da PT Telecom que deliciou os presentes com as suas harmonizações de geografias tão diversas fossem elas o Alentejo, a Argentina, os Açores, a Itália, a África do Sul.

Procedeu-se seguidamente ao agraciamento dos associados mais antigos com a entrega de diplomas e medalhas evocativas, após o que o presidente da Direcção, Prof. Jorge Valadares encerrou esta cerimónia com palavras de agradecimento a todos quantos tornaram possível a festa de aniversário.

Teve então lugar o jantar de confraternização que começou com queijos, fumeiro, presunto, centeio e vinho das nossas terras dando depois lugar a um saboroso e tenro polvo “à lagareiro” com salada.

Mais para o fim do jantar leiloaram-se quadros dos pintores Maria Priscila e João Garcia que tiveram a simpatia de os oferecer, para esse efeito, à Casa e foram também à praça  produtos regionais. Foi então a vez do Grupo de Cordofones, também da PT, animar o corte do bolo e o ambiente, para logo de seguida, os Maranus darem início ao momento do pé de dança.

No final, a opinião foi unânime. Tratou-se de uma festa de aniversário bem organizada, variada e animada.

Para o ano, haverá mais.

Posted in A Nossa Casa, Festas e Eventos | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

Ares da serra – Terras de pão

Posted by ntmad em 18 11 2008

por António Augusto Fernandes

À memória de meu Pai, um homem duro mas justo.

 

 

 (…) Mais informa da intervenção da P.I.D.E. para tentar descobrir os autores do arrancamento de algumas árvores na serra de Nogueira: “Foram descobertos um ou dois e os Serviços entregaram depois novas árvores que a população que as tinha arrancado se encarregou de colocar de novo:”
(Extracto do Processo movido a Aquilino Ribeiro pela publicação de Quando os Lobos Uivam, romance que tem por tema a florestação dos baldios. 07.04.59, [fls. 43 a 44]) [1]

 

Corria quente aquele Verão de 1958.
O misto resfolegava esfalfado sobre as duas fitas de aço, lançando baforadas de fumo negro, depois de quatro horas a lutar com os cem quilómetros que subiam da foz do Tua até ali, à cota mais alta da CP, na estação de Rossas. Parou consolado à sombra fresca da meia dúzia de nogueiras a que o chefe da estação dedicava os bastos ócios que o trânsito madraço de quatro composições diárias lhe permitia.

Da segunda classe saltou um adolescente espigadote balouçando a maleta de cartão. De fato preto, gravata preta, boina preta, era o provável seminarista, em tudo conforme com os regulamentos seminarísticos dos anos cinquenta, de regresso para as férias de Verão. Depois de um ano de ausência, desde a estação de Salsas que os seus olhos augados da terra vinham espiando as alturas da serra de Nogueira onde Rebordainhos se fora encarrapitar. E quando o comboio atacou a recta dos Roubões, antes de encostar à plataforma da gare, já o olhar se lhe prendia às alturas do Alto da Cabeça, onde jogara à bola com os da sua igualha, à Eira da Cabecinha onde se avistavam os primeiros medeiros da aldeia e o Armindo barbeiro lhe cortava as melenas. E suspirou de alívio.

Na plataforma da estação deserta, sufocada pela canícula da tarde e pelas poeiras que o suão levantava dos campos ressequidos, procurou com o olhar erradio a comitiva familiar que devia esperá-lo. Nada. Só depois de o comboio arrancar e dobrar a curva que desce para o túnel de Arufe é que reparou no mano mais novo que atravessava a linha. Crestado dos ares bravios da serra, a camisa de popelina listrada pela cruz de santo André das alças que lhe seguravam as pantalonas de cotim já um pouco curtas, avançava indeciso. Estava bem crescido o dianho do moço! Mas estranhou-lhe os modos. Ele sempre zombeteiro, a magicar na próxima partida que lhe iria pregar, parecia constrangido, quase hirto. Sem um gesto, sem desenterrar as mãos dos bolsos, desferiu-lhe à queima-roupa, como quem quer desincumbir-se rapidamente de recado que lhe frige a alma: – O pai esteve na cadeia!

Ora essa! Assim, sem mais! A notícia deu-lhe um baque na alma sensível de seminarista. Em boa verdade, com o feitio arrebatadiço que se lhe conhecia, não seria muito de estranhar que tivesse quebrado as trombas a algum bebedolas menos conforme com as etiquetas do soto onde governava a vida, ou pregado um par de lostras nalgum moinante que lhe moesse o juízo. Mas tais percalços não eram de estranhar e estavam em conformidade com os brandos costumes da serra. Não era decerto por tal ninharia que ia um cristão malhar com os ossos na cadeia! Ainda por cima o Jaime polícia! Lá rebentio de génio era ele, mas enfim, nunca seria caso para prisão!…

E, enquanto demandavam a aldeia pelo carreirão de Arufe ia rememorando aqueles escassos cinco anos de vida na aldeia, quando o pai, indisposto com os nepotismos da polícia onde as promoções eram regidas por empenhos e conivências, voltara à aldeia natal trazendo consigo revivida aquela fome antiquíssima de terra, uma fome herdada dos antepassados, funda como as raízes fundas que nela tinham lançado. Atirara-se com afã a desfazer os bocados que andavam a monte na Corredoura, na Ladeira, no Pórto, onde quer que pudesse colher mais dois alqueires de centeio.

O Pai tinha os seus repentes, bem entendido, mas no fundo era um sentimental capaz de verter a sua lagrimazita às escondidas e, sobretudo, era um homem com profundo sentido de justiça. Nesses anos magros a seguir à guerra, fora dele a iniciativa de aumentar para doze mil e quinhentos réis a jorna aos cavadores, recordado ainda dos tempos que ele próprio levara agarrado ao cabo do enxadão. E, por essa memória, a pobreza dos mais pobres merecia-lhe um grande respeito e a fome de quem trabalha o dos outros via-a como a mais negra das injustiças num mundo mal feito. Exigia trabalho que se visse e escolhia os trabalhadores mais valentes, mas tratava-os com a consideração devida a quem trabalha. Seria ríspido e não se ensaiava para dar um recado. Mas era generoso se um pobre lhe batia à porta com fome e ironizava os seus confrades nas Conferências de S. Vicente de Paula quando na saqueta das esmolas abundavam as moedas de cobre: não é assim que os pobres tiram a barriga de misérias

Era também a ele que a ciganada recorria quando faziam questão em baptizar algum filho. – Ó homem, não seja por causa disso que o lacru fica mouro! E à conta disso se viu padrinho de para cima de meia dúzia de ciganitos. Tinha um sentido de humor um tanto sardónico e mais que um lhe ficou a dever a alcunha. Amigo dos seus amigos, era correntio e folgazão nos jogos de ar livre aos domingos, quando ameaçava os adversários do chincalhão de os levar em pó e vento, e homem de força quando era preciso dominar pelos cornos um bezerro bravo recalcitrante ao jugo.

A vida não lhe fora nada meiga. Criado com muita estreiteza pela tia Antonha Pastora já viúva, naquele casinhoto negro do Covelo, não se envergonhava de confessar que muitas fominhas rapara e só aos vinte anos, quando assentara praça, deixara os socos de amieiro para estrear os primeiros sapatos. Enfim, o pouco que subira na vida subira-o a pulso e honradamente.

E o seminarista estimava-o e admirava-o por tudo isso. E ainda pela recordação supremamente grata de lhe ver a compenetração com que aos domingos acendia a vela do altar de Santa Maria Madalena, ajoelhando sempre diante do altar da grande pecadora arrependida, padroeira da freguesia, cuja imagem mandara restaurar a expensas suas num santeiro de Braga.

Por tudo isso lhe custava encaixar essa história da prisão do pai. E, de repente, passou-lhe pela mente o grande desarranjo: podia lá chegar a padre, sendo filho de pai preso!? Ele bem estranhara que, durante uns tempos, as cartas chegadas ao seminário não mostrassem aquele belo cursivo de quem redigiu muitos autos de zaragatas nas feiras do 12 e dos 21, em Bragança, de quem apontou muito calote no rol dos fiados, mas sim a caligrafia titubeante da mãe, com menos arte para relatar coisas e loisas da aldeia. Lá tentara explicar para consigo o desacerto na correspondência com o aperto dos afazeres da lavoura somados às preocupações dos calotes abusivos que a magreza do viver aldeão multiplicava como tortulhos no Outono. Não, que a vida na serra andava cada vez mais cainha e muito complicada para todos: os filho nasciam bastos como os cabeçudos na charca do Espinheiro, os rendimentos da lavoura eram mais que escassos, ainda que andassem de sementio até a pedriça do Alto do Sirgo e os pedregulhais das Curreliças que mal davam sustento ao tojo rastiço, quanto mais às paveias de centeio. Ainda por cima, para ajudar o pai que é pobre, coelhos e perdizes iam retraçando o pouco que a terra dava.

E só à hora do caldo veio a saber que a história era bem outra!
As coisas tinham começado alguns meses antes. Uns engenheiros, armados de fitas métricas e teodolitos, dados a muitas inquirições sobre matrizes e estremas, iam cravando bandarilhas de mau agouro pelo longo dorso que vai da Malhada Velha aos cumes da serra, às Três Marras, ponto de encontro dos concelhos de Bragança, Vinhais e Macedo de Cavaleiros.

Os aldeanos olhavam toda essa estranha movimentação de soslaio. A coisa cheirava-lhes a esturro, porque era certo e sabido que o governo só se lembrava deles para os cardar. Ora, mandar que suas excelências, os senhores engenheiros, viessem sujar as botas de calfe nas poeiras da serra não havia de ser no interesse dos lapoiços que a escarduçavam por mor de mais umas pousadas de pão. Quanto a inquirições, eles bem se fechavam em copas: – sei lá de quem são as terras, onde ficam as estremas! Não sabiam eles outra coisa! Estas invasões dos baldios não vinham nos jornais e disso não falava a Emissora Nacional, não, que andava tudo bem açaimado pelo senhor Governo! Mas, pelo que corria à boca pequena por feiras e romarias, futuravam eles que o acontecido lá para baixo, para as Beiras, mais tarde ou mais cedo lhes iria bater à porta. O que eles sabiam muito bem era que aqueles pedaços de terra por cima da Malhada Velha até à cota dos mil e duzentos metros, do Vale dos Azebros ao Cabeço do Pau e ao Lombo das Terças, quando calhava de o Inverno trazer dois ou três nevões que matassem a bicheza, adubassem as terras delgadas e fizessem borbulhar as nascentes, as espigas faziam dobrar as hastes do centeio, de gradas, porque lá reza o ditado: ano de neve, paga o pobre o que deve, ou o outro que diz o mesmo por outras palavras: ano de pão, sete neves e um nevão. E era também dali que saía a melhor batata certificada: nas covas mais lentas e de húmus mais gordo medravam os batatais com direito a que se lhe especasse uma tabuleta com algarismos pintados a zarcão, conferindo-lhes o direito a ser vendida como batata de semente certificada, o que dobrava o preço.

Ali, naquelas alturas lançando a vista para o horizonte, sobre o vale de Macedo de Cavaleiros, em frente, ou, sobre a direita, ao planalto de Miranda, enfarinhado no azul da distância, atrás de um coelho ou agarrado à rabiça do arado, um homem sentia-se de alma lavada e como se fosse dono do mundo. Era um espaço de liberdade, dessa liberdade tão cara ao serrano. Naqueles descampados, ceifados os pães, os gados pasciam livremente as espigas perdidas pelos segadores ou a relva tenra que brotava com as primeiras águas do Outono. As giestas e urzes que despontavam pelo pedregulhal eram de quem as quisesse arrancar para com elas fazer carvão, esquentar o forno ou atiçar o lume nas manhãs de codo. Aquela corda de outeiros, isentos de senhorio, eram de todos, mas eram sobretudo dos mais pobre que não tinham de seu leira de jeito ou touça para acender a lareira no Inverno. Eram terrenos baldios? Pois que fossem, mas era deles o proveito! Já assim era no tempo dos avós e dos avós dos avós, e nunca ninguém se incomodara com isso! Esses baldios eram bem o símbolo da sua liberdade e independência, já que não podiam ser coutados nem sisados pelo poder central. E se há coisa odiosa para o serrano é que lhe toquem na terra que sente como sua, ou que alguém venha de fora pôr-lhe o cangote debaixo do jugo. Por mor de um migalho de terra quantos não se tinham já perdido!

É bem verdade que aquilo ficava longe que nem seiscentos diabos, lá para cima, a dois passos da capelinha da Senhora da Serra no picoto mais alto da Nogueira, onde no tempo dos mouros (ou seria de Carlos Magno e dos Doze Pares de França?), Nossa Senhora aparecera a uma pastorinha muda, de tamancos, que Nossa Senhora não tem engulho dos pobres, e depois marcara com neve, no dia mais quente de Agosto, o sítio e modos como queria que lhe fizessem uma capelinha. Era a Nossa Senhora deles, que os de Rebordãos bem quiseram mudar a capela para onde a avistassem da aldeia, mas obra feita de dia esborralhava-se milagrosamente durante a noite. E ao fim de muito caturrarem, a capelinha bem que teve de ser feita onde Nossa Senhora a queria, que era a olhar para Rebordainhos, que Ela, pelos modos, preferia aos de Rebordãos.

Pois é, um homem demorava uma manhã inteira para ir regar quatro sucos de batatas e, no tempo das acarrejas, tinha que jungir os bois ainda com escuro, se queria o carreto pronto antes de ir comer as batatas do almoço. Mas deixá-lo! Era deles, e… o tempo dá-o Deus de graça!

Até o tio Zé Çuca, monárquico convicto, que era fino, lia A Voz e desempenhava, como por descendência dinástica, o cargo de Presidente da Junta desde que lhe morrera o pai, o ti António Caminha, embora apoiasse a Situação e admirasse Salazar, desta vez achou que a Situação exorbitava, borrifou-se para o Salazar e acrescentou a sua indignação à dos demais.

Os Serviços Florestais começaram por construir uma casita toda liró, bem melhor que as da aldeia: reluzindo de branca, enconchadinha numa ruga da serra, com uma nascentinha de água leve e fria à ilharga, voltada a sul donde no Inverno espreita o sol criador e com vistas desafogadas para meio mundo, mais feita para poeta contemplativo que para Guarda-florestal.

E logo nos começos do Inverno as máquinas invadiram os corutos da serra e vá de arrotear o maninho, de afundir nos covachos milhares de pinheiritos tenros, de abetos, de bétulas… Se ainda aldemenos os Serviços se lembrassem de plantar carvalhos e castanheiros que era o que a serra reconhecia como seu desde que o mundo é mundo! Mas não… vinham lá com essas esquisitices da Terra Quente… – Rais os partissem a todos mais à pata que os pôs!

Máquinas e engenheiros já tinham partido e o sossego parecia ter regressado à serra. Aos domingos, no adro, depois da missa, não se falava de outra coisa e, enquanto as mulheres corriam a esverçar o caldo de couves, os homens davam uma saltada até à Cruzinha, levantando os olhos para aquela lombada da serra, na esperança de que a sarna tinha secado. É o tinhas! Ao longo de toda a cumeeira, os pinheiritos tinham pegado com arreganho e a rabugem verde-escura começava a pintar os terrenos onde dantes crescia o centeio e a batata. E, intrigados, quedavam-se em conjecturas: e agora?… e de quem é aquilo? e que torna e que deixa… A coisa começava a cheirar a esturro.

Até que um domingo, depois do almoço, os sinos se puseram num bimbalhar doido de toque a rebate. Acudiam as gentes a indagar onde era o fogo. Sobre o muro do adro onde no Inverno se arrematavam os chispes e orelheiras prometidas ao S. Sebastião, alguém ia despachando quem chegava: que desandassem em busca de enxada, de sachola, de picareta e ala para a Malhada Velha que a serra havia de ficar como era dantes.

A gemte começou de sse juntar e era tanta que era estranha cousa de se veer – diria o Cronista se ao sucedido assistira.

Munindo-se cada qual de ferramenta mais azada para o efeito e muitos também de uma pinga, que nestas alturas dá sempre jeito, esquentando-se mutuamente os ânimos com vozes façanhudas e esporádicos gorgolejos nas botelhas galegas de pele de cabra, quando passaram a Ribeira, na subida para os Vales, já se evocavam os grandes feitos guerreiros com que na escola se enfeitava a história pátria: espanhóis e Aljubarrota, mouros e Afonso Henriques, Índia e Vasco da Gama, tudo abundava no exemplo de como as coisas têm que ser feitas quando vêm mexer com quem está quedo. E era deveras inflamado o espírito belicoso das hostes. Tomaram o caminho dos Vales que, apesar de mais empinado, os punha lá riba em três tempos. Um nevoeiro cerrado abatera-se sobre a serra como manta cúmplice que os acobertasse de olhos coscuvilheiros, que estas coisas querem-se feitas a recato, como negócio entre homem e mulher. Enquanto o diabo esfrega um olho, imolaram a maior parte das hastezinhas tenras que lhes tinham invadido as terras de pão e alguns dos feros arrancadores trouxeram-nas à laia de troféus justamente arrebatados a inimigo vencido em valorosa peleja.

Viveram-se tempos de incerteza. Será que o Governo os tinha esquecido outra vez e tudo voltava ao que era dantes? Agora esquecera! Os polainudos da GNR começaram a rondar a aldeia, entravam nas tabernas com falinhas mansas, ofereciam o seu copo: quem tinha tocado o sino a rebate?… quem tinha acicatado os fregueses na arranca dos pinheiros?… quem tinha cometido o desacato contra o Estado?… Ninguém fora, ninguém ouvira nada, ninguém sabia de nada. Desistiram, encalhados na pertinácia serrana.

As inquirições pareciam ter dado em águas de bacalhau e os ânimos iam serenando. Sempre valera a pena o finca-pé!…

Até que um dia apareceu um jipe do Estado com uns sujeitos de ar sinistro. Nem parou. Atravessou a aldeia e pelos caminhos dos carros de bois subiu até aos Vales, como quem sabe ao que vem. Sem dizer água-vai os sujeitos de má catadura catrafilaram o Raul e enfiaram-no no jipe, que regressou à aldeia e estacou no Largo do Prado em frente da Taberna de Baixo. Com o mesmo despacho deram voz de prisão ao Jaime que nesse momento tinha vindo à porta do soto inquirir da novidade. Era o que eles receavam: a PIDE, não podendo prender uma povoação inteira, deitava os gatázios a quem muito bem entendia para escarmento dos demais: ao Jaime porque, sendo dono da taberna, pelas conversas que se soltam entre os fregueses depois de uns quantos quartilhos empinados, devia ter ouvido pela certa alguma coisa mais sobre o assunto da Floresta. Ademais, sendo polícia, embora de licença sem vencimento, tinha obrigação de informar os seus superiores de todos os movimentos sediciosos da população. Ao Raul, porque, morando no ermo dos Vales, a dois passos da zona florestada, tinha de saber pela certa quem lhe passara à porta para ir vindimar os pinheirinhos. Esta lógica caseira não convencia ninguém e serviu apenas para camuflar canhestramente os autores da feia delação. Veio-se a saber mais tarde que os dois sacrificados nas aras da sanha policiesca tinham sido denunciados por motivos bem pouco políticos e ainda menos patrióticos: o Jaime pelo guarda-florestal recentemente nomeado, fraca rês vinda da Terra Quente, a quem recusara alongar o rol dos fiados. O Raul por um vizinho da Quinta dos Vales que com ele mantinha pendências de estremas mal definidas ou marcos manhosos que se movimentavam a coberto da noite. E lá os levaram para a cadeia da Rua do Heroísmo, no Porto.

Viveram-se dias negros, pois que todos, quem mais, quem menos, se sentiam na pele dos dois caçados pela polícia política e em todos doía a consciência colectiva dessa aleivosia. A tia Lídia viera ocupar o lugar do marido na Taberna de Baixo chorosa e aflita. Lá de baixo a correspondência dos dois reclusos ia contando que não eram maltratados e a comida era razoável. Não fora o desarranjo trazido aos negócios de cada um pela ausência forçada, animavam eles, desdramatizando a situação, quase se podiam dizer umas férias à conta do Estado. O que deveras lhes doía na alma eram as grades da prisão. O serrano, preso nem com uma linha se quer ver! Periodicamente eram abordados blandiciosamente pela polícia: – que nada tinham contra eles… que bastava dizerem quem fora o da ideia, que a eles nada acontecia. O Raul entrincheirava-se na sua escusa: que mal saía daquele fim do mundo que eram os Vales, o que é que ele podia saber? Em tal dia até andava a lavrar lá p´rós lados de Lanção!… O Jaime insistia no seu álibi: nesse dia tinha ele ido ao vinho lá para a Terra Quente. Até tinha factura passada e tudo
Ninguém se descosia, nada feito.

Pela aldeia, os dias passavam macambúzios, pela indecisão do caminho a tomar, até que o Pe Amílcar achou por bem descer à cidade a encontrar-se com o Pe Caminha, cunhado do Jaime, que, enquanto Director da Escola Profissional de Santa Clara, tinha entrada franca no Ministério do Interior. Passaram-se semanas caturrando dum lado e doutro, mexeram-se todos os pauzinhos e num domingo depois da missa, o Pe Amílcar, ainda antes de se desparamentar, dava notícias aos paroquianos:

Tudo na mesma. O senhor Jaime e o senhor Raul não dizem nada e a polícia só os deixa vir embora se o povo plantar de novo as árvores arrancadas.

Cá fora, no adro, discutiu-se rijamente. Por um lado, aquilo cheirava-lhes a forte humilhação, como se o povo não tivesse razão em defender o que era seu. Por outro lado, que mais culpados eram aqueles dois que os outros, para irem malhar com os ossos na cadeia!?… Depois de muito parlamentar, a muito custo optaram pela humilhação.

De novo subiram aos altos da Malhada Velha, mas agora com a amargura de quem sobe ao calvário. Cheios de má vontade lá foram replantando quanto tinham arrancado. E tudo pegou gorando, para seu espanto, a confiança que depositavam nas leis da botânica: bicheza brava aqueles pinheiros! pegavam, mesmo com um nó na raiz!
Depois de dois meses de cárcere, os deportados eram depositados no Largo do Prado. O Raul correu a matar saudade do seu casal dos Vales. O Jaime, naquele seu feitio um tanto arisco temperado pelas agruras da vida, entrou pela porta do seu soto com o ar de quem tinha ido ali a Bragança encomendar umas mercearias no armazém do Domingos Lopes. E ofereceu uma rodada aos presentes. Como tinham cedido na replantação dos pinheiros, nem dava para se sentirem heróis ou caudilhos de um levantamento. Sobrava apenas uma leve amargura, como de moinha de Outono, a ensombrar-lhes a alma.

Em resumo:
Para regar a hortinha da Vale-da-Frunha-d’Além ainda por lá andava, nesse Verão, um sachito com que o mano participara na odisseia da floresta, crismando-o de arranca-pinheiros.

Para sossego de consciência do seminarista, não houvera morte de homem, a sedição acabara em bem, com o acatamento da autoridade e a floresta medrava lá em cima à lei da natureza…
Finalmente, rezam as crónicas, não foi por causa de pai preso que ele não veio engrossar as fileiras dos ministros do Senhor.

Hoje a floresta faz cinquenta anos, está frondosa e até que alindou o dorso nu da serra. Para consolo dos ecologistas encartados constitui notável contributo para a preservação do lobo ibérico que lá vai abocanhando ao desfastio alguma canhona distraída que lhes passe a jeito. E também do javali que cata meticulosamente as castanhas tombadas do ouriço e cabouca os batatais que lhe ficam à mão.

Mas permanece como a pegada de um governo que exerceu o seu poder autocraticamente e ao arrepio dos direitos comunais – memória de chaga mal sarada na alma da comunidade.

Os poucos velhos que se recusam a abandonar a aldeia e os jovens agricultores, que o Governo louva mas não ajuda, persistem em agricultar essa terra que sobrou da floresta, sabendo que trabalham para sustentação do lobo ibérico, que está de saúde se recomenda, e do javali, que os figuros da cidade adoram ostentar como troféu das suas caçadas. E, se não vier alguma trovoada à moda antiga, ainda sobra qualquer coisita para o pobre do lavrador que, não sendo espécie protegida, está em risco de extinção.

______
[1] in Em Defesa de Aquilino Ribeiro, organização de Alfredo Caldeira e Diana Andringa, Edições Terramar, Lisboa 1994.
O processo em questão fora movido ao autor pela publicação do seu romance Quando os Lobos Uivam, que tem por tema a florestação dos baldios na Serra da Nave, saído em finais de 1958.

N.Ed. As fotografias que ilustram a narrativa são da autoria de António Fernandes.

Posted in A Nossa Terra | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

O magusto fozcoense

Posted by ntmad em 15 11 2008

por José Gomes Quadrado*

É chegado o São Martinho,
Altura de festejar,
De acendermos a fogueira
Para as castanhas assar.

Procurando respeitar a tradição e propiciar mais um ensejo para algumas horas de alegre convívio entre os seus associados, respectivos familiares e amigos, a direcção da Casa do Concelho de Foz Côa levou a cabo a realização de mais um Magusto, três dias antes do dia de São Martinho. Com efeito, como fora previamente anunciado, no passado domingo, dia 9 de Novembro, este evento teve lugar num espaçoso e apropriado recinto da aprazível Quinta “Zé Vaquinhas”, espaço mais uma vez cedido pelo nosso estimado sócio benemérito Senhor José Costa Gomes, e situado na Rua Charneca da Cotovia em Sesimbra, onde compareceram, bem dispostos, não só naturais da cidade de Foz Côa, mas também outra gente boa originária de localidades do nosso e de outros concelhos.

Como sempre, as castanhas, as sardinhas, a carne de porco e a água-pé, foram fornecidas pela entidade organizadora, e da canseirosa preparação do Magusto ocupou-se o seu secretário-geral, Sr. José António Coelho, com a prestimosa colaboração de alguns amigos do Azeitão. Para todos eles, para o nosso anfitrião, seus familiares e amigos, aqui deixamos palavras de merecido louvor.

Merecem também especial referência os participantes que, dando provas de excepcional solidariedade, partilharam com os restantes convivas alguns dos deliciosos acepipes que transformaram o Magusto num abundante e delicioso repasto. E neste aspecto, merece ser citado o nome da Dona Arminda Coelho.

Outros participantes partilharam com os demais a sua contagiante alegria, dançando com muito “salero”, sempre que havia música no ar. Isto antes e depois de se fazerem ouvir, através da instalação sonora, como cantores e tocadores de cavaquinho. Refiro-me, evidentemente, à participação dos elementos da “UTIL” (“Universidade da Terceira Idade de Lisboa”), conjunto de bailarinos e músicos (amadores) que incluía o nosso animado presidente, sempre pronto não só para cantar e para tocar o cavaquinho, mas também para desafiar outros convivas a cantarem com vozes mais ou menos afinadas.

Para além da fartura e variedade gastronómicas, da constante presença de música portuguesa e de tudo o mais, gostosamente salientamos o relacionamento amigável que espontaneamente se estabeleceu entre os convivas, pessoas que embora provenientes de vários localidades do País, ali confraternizaram, dançando alegremente como se todos fossem parentes ou vizinhos.

Sem desprimor para outros distintos convidados, seja-nos permitido referir a presença, durante algumas escassas horas, do Mestre António Sá Coixão e de outros três amigos freixienses que, não obstante a lonjura a que fica Freixo de Numão, ali se deslocaram para conviverem connosco.

Depois do regresso aos respectivos lares, todos recordarão com alguma saudade as horas de salutar confraternização ali vividas.

Bem-hajam todos!

__________________________
*Vice-Presidente da Direcção da Casa do Concelho de Foz Côa.

Posted in A Nossa Terra, Festas e Eventos | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »